Não basta o silêncio de fora. É preciso silêncio dentro. E aí, quando se faz silêncio dentro, a gente começa a ouvir coisas que não ouvia.

- Rubem Alves


quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

LILASES DA MEMÓRIA


DANÇA

“Daqui
do meu ventre
uma língua selvagem”
Jorge Vicente

Lilases entre as letras
As tulipas de uma
Camponesa manhosa astuta
Flor da argúcia~
no páteo das amendoeiras
no jardim do sobreiro
Das palavras nas montanhas
Solstício de inverno
S. João já passou no teu colo
Num ramo de memória
Das bétulas nas ramagens de
Zimbro
Onde está a língua
A luz arde
No corpo da tua
Dança no palco


José Gil
16:16
10-12-2017
entre os sobreiros de Praias do Sado

Sem comentários: