"A única revolução definitiva é a de despojar-se cada um das propriedades que o limitam e acabarão por o destruir, propriedade de coisas, propriedade de gente, propriedade de si próprio."
(Agostinho da Silva)

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Vinho! Aaahhh! O Vinho!


Francisco Gomes de Amorim

Estou a imaginar Baco a deliciar-se com os vinhos de antão, bebidos por uma cornucópia, e não por aquelas taças com que o representaram, rodeado de afrodites, lindas, todos de carne e osso e não de mármores muito bem trabalhados, mas duros e frios como a morte!


Imaginem a Afrodite e Baco assim, para beber uns copos!

Mais perto do nosso tempo, de hoje, há pouco mais de vinte anos, andava eu lá pelo norte de Portugal, no Gerês, planejando um trabalho florestal a ser feito no Parque Nacional, e tive o privilégio de conhecer um chefe dos guardas florestais, já aposentado, homem de quem fiquei amigo e de quem recordo com saudade, o senhor Machado.

Quando o conheci insistia em tratar-me por sr. engenheiro e eu quase me zanguei com ele para o convencer que o meu nome, desde que nascera, era Francisco. Ou ele me tratava assim ou eu o chamava por sr. Chefe! Humilde, relutante, acabou por me tratar por sr. Francisco e eu a ele por sr. Machado.

O que têm a ver Baco e o senhor Machado? Imagino que Baco bebia do bom e do melhor que havia nesse tempo no Olimpo, na Hélade e na Frígia – até dizem que foi ele que o inventou! – e o vinho que o meu amigo Machado produzia, das suas pequenas courelas lá no Minho, vinho verde tinto, teria convencido Baco a naturalizar-se... minhoto!

Uma das melhores delícias de vinho que já bebi, e olhem que, com a idade que conto, já devo ter ingerido, quem sabe?, talvez 8 a10 pipas de 550 litros cada... fora a cerveja, e outros álcoois! (Comecei a beber regularmente às refeições teria uns 14/15 anos, o que significa que comecei há 26.000 dias! É conveniente acrescentar que não sou um bêbedo, e que não me lembro de alguma vez ter apanhado uma bebedeira das... sérias!)

Voltemos ao vinho. O de Baco seria certamente só uva espremida e fermentada. Assim era o do meu amigo do Gerês. Uva e somente uva.

Há uns 45 anos trabalhava eu em Moçambique, na ex-Lourenço Marques, cervejas Mac-Mahon – 2M – apareceu-me um homem que queria abrir um restaurante, tinha começado já a obra num prédio, mas entretanto, acabara-se lhe o capital. Veio pedir um financiamento! Levou-me para ver a obra, o que faltava, quanto necessitava, etc., e disse-me que fazia o melhor bacalhau do planeta!

Para avaliar a situação, e como o banco BCCI era o “dono” da fábrica de cervejas, combinei ir lá almoçar com dois colegas do banco, ver se o tal bacalhau correspondia aos incómios do descapitalizado “restaurador” e, por sequência se valia o investimento!

Confirmou-se, por unanimidade, quase por aclamação, a qualidade do bacalhau que permitiu passarmos a discutir como arranjar o dinheiro necessário para terminar a obra. Não foi difícil: eu, que ali representava a 2-M, garanti o pagamento e o banco emprestou a grana. Alta!

Mas algo me intrigou: o vinho que nos serviu, um tinto “brabo” era muito bom, não tinha qualquer rótulo, e em Moçambique vinho bom, só engarrafado.

- Oh! Sr. Pereira (o meu amigo senhor Pereira, que depois brilhou em Lisboa – Restaurante Laurentina – e continua a brilhar nas mãos do filho)! Que vinho é este?
O Pereira chamou-me de lado, pediu-me segredo, que eu assegurei, e diz-me, bem baixo, no ouvido, que era ele que fazia o vinho.
- Mas onde arranja as uvas?
- Não leva uva!
- !?!?!?!?
- O meu pai trabalhou muitos anos num dos armazéns de vinhos do Poço do Bispo e aprendeu lá a fazer vinho, de qualquer tipo, sem uvas! Podia ser do Dão, Colares, de qualquer lado, mas sempre sem uvas!

Fiquei espantado. Espantado é pouco, mas a verdade é que o que ele nos deu a beber era uma bela pinga! Sempre tinha ouvido dizer que por aqueles armazéns, à beira-rio, quase se esgotava o Tejo a fazer tanto vinho, mas daí a ter a certeza de que tinha bebido um vinho, muito bom, que não era vinho, foi uma novidade!
- O senhor tem que me ensinar isso.
- Quando estivermos sozinhos eu ensino. É muito fácil.

Nunca mais houve essa ocasião, e eu perdi um profundo conhecimento científico!
Hoje, só em Portugal há centenas de marcas e tipos de vinho, desde os correntes, onde se encontram alguns muito bons (serão com a fórmula do meu amigo?!) até a marcas sofisticadas e caríssimas.

Mas vinho como os de Baco e dos meus amigos Machado e Pereira é difícil.
Os primeiros porque eram pura uva fermentada, e podia beber-se um litro que a digestão se fazia sempre com as ideias claras! O do Pereira era pura química, mas bastante bom. E, disse o “cientista”, saía-lhe bem barato!

Agora, além do anidrido sulfuroso que se injeta no topo da garrafa acabada de encher, o que sempre se fez para evitar a oxidação do vinho, a mistureba de produtos químicos que se junta às uvas é impressionante.

Dantes, e não há muito tempo, a Lei proibia juntar ao vinho, às uvas fermentadas, o que quer que fosse. Vinho era uva espremida e fermentada e nada mais.

Depois a amorosa União Europeia quis que Portugal adicionasse açúcar de beterraba ao mosto, e mais um pouco de água, com o que obteria mais vinho e eles venderiam assim o açúcar encalhado lá nos frios nortes da sobredita união. Portugal bateu o pé, falou grosso, disse que jamais faria tal coisa, a lei portuguesa era clara, etc., e os alemães e holandeses meteram a beterraba no...

Veio a modernidade, e a esculhambação!
Quando a gente pensa que está e beber o puro vinho, sem aditivos, aquele tipo Baco ou Machado, descobre que alguns juntam ao mosto um monte de tranqueira, como por exemplo:
- Estabilizante: ácido metatartárico, INS 353; quando adicionado este ácido, o vinho deverá ser previamente hidrolisado, pois induz uma precipitação incompleta de racemato de cálcio!  Entendeu? Não? Não tem importância.
Acidulante: ácido cítrico, normalmente proveniente do melaço da cana de açúcar. Não, não espremem o limãozinho. É na química. É o ácido 2-hidroxi-1,2,3-propanotricarboxílico
Anti-oxidante: ácido L-ascórbico, a vitamina C, que se costuma tomar para evitar a gripe!
- Espessante: goma arábica, E 414, é uma resina natural composta por polissacarídeos e glicoproteinas que é extraída de duas espécies de acácia da região subsaariana, principalmente da Acacia senegal e da Acacia seyalINS 353 e E 414, usados simultaneamente impede as precipitações combinadas de tartaratos e matéria corante. Deu para entender? Não? Paciência.

A Goma arábica é usada como espessante e estabilizante para vários alimentos, na manufactura de colas e como espessante de tintas de escrever. Quando eu era moleque fazia uma mistura com álcool e água e ficava o dia todo penteadinho, lindão... com a cabeça durinha! Muito usada em espumantes, mesmo os que custam os olhos da cara, para espessando o vinho, segurar as bolhas que se desprendem mais lentamente e... o copo fica mais bonito! E, curioso, um dos grandes produtores de goma arábica seria o Bin Laden!!! A vender para os granfinos! Boa piada. Mas o Sudão do bonzinho Al-Bashir é o maior. (Ah! Em doses um pouco mais elevadas pode ser letal!)

E você que me lê pensava que tem andado a beber pinga da boa? Está enganado!
Primeiro veja bem o rótulo. A maioria só diz que tem sulfitos, porque sem eles o vinho viraria vinagre em dois dias. Uns, mais temerários, lá escrevem que misturaram INS 330, INS 300, INS 220, INS 200, esquecem o INS 353 e o E 414, etc., mas... tudo numa boa.

Face a estes cocktails que transformam o vinho em um quase derivante do petróleo – plástico – você só tem um caminho: começar a beber vinhos de preços acima de € 500, (só a meia garrafa) mas... assegurando-se previamente que a uva estava limpinha.

Ou então procurar antigos funcionários dos armazéns do Poço do Bispo e beber aquilo que temos a certeza de que leva tudo menos a maravilhosa uva!

Que saudades dos meus amigos Machado e Pereira. Um fazia vinho puro e ótimo, o outro um vinho ótimo e... secreto!

O problema mais grave de tudo isto é: “E agora, o que é que eu vou beber?”

19/07/2017
f.g. amorim
http://fgamorim.blogspot.pt/


Sem comentários: